"Mais importante que o fato é a notícia do fato"
DIRETOR RESPONSÁVEL: PAULO ALBERTI FILHO
Cotidiano Esportes Policial Saúde Educação Editorial Cultura Colunas GB Norte
assine | contato
Rogério Machado
Rogério Machado é jornalista, conselheiro  e educador cristão; pastor da Igreja Batista Boas Novas - Cd Planejada II
PERDÃO
No dia a dia, em nossos relacionamentos diários, nem sempre nos saímos muito bem; não é  mesmo? Às vezes magoamos um amigo, um parente, pessoas próximas, queridas e amadas, ou então  somos por essas pessoas magoados. Quando isto acontece, muitas vezes, ficamos ressentidos e no coração  instala-se a raiva, o ódio, o rancor;  a confiança se vai.              A pergunta que fica no ar é: será possível perdoar aquela pessoa?             Conta-se que o pintor florentino Cosimo Rosselli (1439-1507) ao iniciar a pintura de um dos  afrescos da Capela Sistina, intitulado “A Última Ceia”, teve uma discussão com outro pintor. Estava tão  enraivecido que decidiu pintar o rosto daquele pintor que odiava sobre o rosto de Judas, o traidor de Jesus  Cristo. Assim o fez, sendo esse o primeiro personagem  que completou. Contudo, quando chegou ao rosto de  Jesus ele perdeu toda a inspir¬ação e,  por mais que se esforçasse, não conseguia progredir. Finalmente,   percebeu que o ressentimento que havia nutrido em relação ao colega estava provocando seu bloqueio  mental. Retomou a pintura refazendo a face  de Judas e re¬tirando o rosto do “inimigo”. Ao fazer isso ele se  libertou, continuando a pintar o rosto de Jesus. Completou a pintura e alcançou um enorme reconhecimento  através dos séculos.             Talvez essa história tenha feito você pensar em sua situação, semelhante à  de Cosimo  Rosselli, com raiva, ódio ou rancor de alguém, desejando que um caminhão passe em cima dessa pessoa.  Deixe-me dizer-lhe uma coisa: liberte-se do passado perdoando essa pessoa.  Entendo que para alguns perdoar seja um algo extremamente difícil. Não sem propósito Benjamim  Franklin afirmou certa vez que uma das três coisas mais difíceis do mundo seria perdoar uma ofensa (as  outras duas seriam: guardar um segredo e aproveitar o tempo). Já Martin Luther King Jr afirmou que o perdão  é um estímulo que cria um ambiente necessário para uma nova partida, para um reinício. Não perdoar é ficar  preso/escravizado ao passado.   Para se libertar e crescer, caminhar para frente e curar o coração ferido, é essencial perdoar a pessoa  que o magoou, abandonou ou  deserdou.   Se falhar em resolver o pas¬sado estará propenso a repeti-lo. Se  fracassar em perdoar ficará aprisionado pelo passado no presente, comprometendo seu futuro.          Uma criança certa vez explicou o perdão como “o cheiro que as flores liberam quando são  pisadas”. Portanto, se você sente que seu coração foi pisado e esmagado, perdoe! Quando você abandonar  sua raiva e perdoar,  sua vida irá transpirar uma fragrância fresca que  enriquecerá as vidas ao seu redor.          Quando o Senhor Jesus Cristo estava para ser traído e morto  “... sabendo  que era chegada a sua  hora de passar desse mundo para o Pai, tendo amado os seus, amou-os até o fim” e  mesmo  diante de seus  acusadores homicidas disse: “Pai, perdoa-lhes...” –  Evangelho de João 13:1 e Evangelho de Lucas 23:34.         Jesus perdoou por causa de Seu amor: “tendo amado os seus, amou-os até o fim”. Por isso quanto  mais amor maior o perdão, já que se perdoa na medida em que se ama.            Jesus perdoou, ensinando-nos a perdoar e viver em amor ao próximo!