quarta-feira , outubro 17 2018
Home / Saúde / Terceirização SAMU e UPA custará R$18,8 milhões

Terceirização SAMU e UPA custará R$18,8 milhões

Após meses em processo de licitação, o gerenciamento da UPA Vila Davi e do Serviço Médico de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU/192), estão oficialmente sob responsabilidade do Instituto Social Med Life, que teve o contrato emergencial rescindido no último dia 28, em razão do chamamento público concluído. O valor global do contrato é de R$18.827.136,48, a serem pagos em 12 parcelas de R$1.412.035,23.
Segundo constam nas cláusulas contratuais, o Instituto será obrigado a prestar contas mensais até o dia 20 do mês subsequente ao recebimento do recurso, mediante apresentação de relatórios das atividades e da aplicação dos recursos de acordo com o contrato firmado e o Programa de Trabalho aprovado, à Secretaria Municipal de Saúde.
A cláusula nona informa que o prazo de vigência do contrato é de 12 meses, prorrogável por até 60 meses, desde que haja concordância de ambas as partes e fique demonstrada a consecução dos objetivos estratégicos e das metas estabelecidas.
Caberá a Secretaria Municipal de Saúde fazer a gestão do projeto, regulando, monitorando e avaliando a atividade que será desenvolvida pelo Instituto, com o objetivo de garantir a integralidade da assistência.
TENTATIVAS- Foram três tentativas até que se concluísse a licitação. As tentativas ocorreram em setembro e novembro de 2017. A primeira teve representação no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE/SP) e a outra por desclassificação da única candidata. Enquanto a licitação não era concluída, o contrato em caráter emergencial para administração do SAMU/192 e da UPA Vila Davi custou R$ 3.841.500,00 para a Prefeitura. O contrato emergencial foi assinado com o Instituto Med Life em 28 de dezembro de 2017, mesma empresa que venceu o certame.

Central de regulação do SAMU/192 para 11 cidades da Região Bragantina, agora sobre o comando da MedLife, terceirizada
Central de regulação do SAMU/192 para 11 cidades da Região Bragantina, agora sobre o comando da MedLife, terceirizada

One comment

  1. E muito dinheiro e Bragança so perde com estas terceirizadas cadê o processo seletivo que a empresa fez como foram destribuida as vagas das pessoas concursados que lá trabalhavam se não foi por processo seletivo quem está defendo estas vagas qual é o critério e preciso fazer as coisas as claras

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *