sábado , agosto 19 2017
Home / Coluna da Gazeta / Frase: ”Que vantagem têm os mentirosos? A de não serem acreditados quando dizem a verdade” (Aristóteles)

Frase: ”Que vantagem têm os mentirosos? A de não serem acreditados quando dizem a verdade” (Aristóteles)

Paulo Alberti Filho

MAU EXEMPLO
A Sabesp, tida como referência em meio ambiente e responsável pela qualidade do abastecimento de água no estado e por conseguinte co-responsável pela preservação ambiental, deu péssimo exemplo nesta semana. O secretário municipal de Serviços, Aniz Abib Júnior, flagrou um caminhão prestes a despejar entulhos em área inadequada, nas proximidades do bairro Henedina Cortez. A Prefeitura fez o BO, filmou e agora deve aplicar uma multa. Obviamente isso não é norma nem orientação da Sabesp.
Deve ser coisa de gente mal informada ou folgada demaisss… Que sirva de exemplo para demais empresas que operam com entulhos na cidade.

INCOERÊNCIA-1
O vereador Marcus Valle (PV) tem sido ao longo de sua militância política o “rei da incoerência”. Houve situações que marcou presença na contra mão de seu discurso ambiental, ao se omitir em flagrantes crimes ambientais que repercutem até hoje na justiça, como o caso que prejudicou os mananciais e muita gente, envolvendo a construção do prédio onde funciona hoje a Telha Norte, na zona sul.

INCOERÊNCIA -2
Nesta semana, outro fato chamou a atenção quando Valle votou contra a concessão do título de cidadão bragantino ao deputado federal Paulinho da Força. Explico: O voto é faculdade do vereador, outorgada pelo povo. Ele vota como quiser, porém costuma-se observar princípios que atendam ao bem comum e não aos interesses pessoais ou políticos do vereador. Neste caso, o deputado federal Paulinho da Força (SDD), sempre presente em Bragança, é o parlamentar que mais verbas destinou à cidade para obras de infraestrutura, etc, nos últimos 20 anos.
Portanto, é um benfeitor no município e detentor de mérito indiscutível para ser agraciado com o título de cidadania bragantina. Até agora, Paulinho da Força destinou verbas da ordem de mais de R$3,5 milhões que já se transformaram em obras e benefícios que melhoram a segurança e qualidade de vida de milhares de bragantinos. Recentemente anunciou mais R$ 4milhões que serão destinados para obras importantes.
No total são quase R$8 milhões destinados à Bragança nos últimos 8 anos.

INCOERÊNCIA -3
Mas os méritos do deputado Paulinho da Força foram ignorados pelo vereador e, ao votar contra, sequer justificou e simplesmente disse “não!”. Talvez não justificou porque não tinha argumentos para isso. A incoerência de sua atitude fica carimbada quando lembramos que o vereador Marcus Valle apresentou, e a Câmara passada aprovou, o título de cidadania a um ilustre desconhecido, que nada fez para Bragança a não ser jogar futebol de salão com o vereador na adolescência e participar das baladas do Literário e da fazenda Caetê.

PIADA
O vereador Quique Brown (PV) também votou contra sem justificar. Quem sabe siga o “exemplo” de Valle, que deu o título de Cidadão para um Bob qualquer, e ofereça a honraria para um Bob mais expressivo, como Bob Marley, por exemplo.

COVARDIA
Como disse acima, o voto do parlamentar é a procuração que o leitor dá para ele decidir no parlamento sobre o interesse comum do povo. Um ato covarde, no meu entendimento, é o voto de abstenção. Lembra-se do deputado federal Alexandre Leite (DEM) que levou em 2010, 16.640 votos dos bragantinos e desapareceu daqui? Pois é! Ele foi o único deputado do DEM que não votou no processo de admissibilidade do processo que investigaria o presidente Temer. Foi ao microfone e, em três segundos, disse: me abstenho!
É de se perguntar: O que essa pessoa está fazendo na Câmara Federal?

EM BRAGANÇA
Em Bragança, o vereador que não quer votar num projeto, salvo exceções, muitas vezes não vai à sessão e depois leva um atestado médico e parece que fica tudo bem; outros inventam qualquer desculpa e fica por isso mesmo. Enfim, tem razão o vereador Claudio Moreno ao propor que a Câmara desconte da folha de pagamento a falta na sessão.

ESTRANHO
Tem gente estranhando as cores dos ônibus seminovos da empresa Nossa Senhora de Fátima que devem começar a circular amanhã em Bragança. As cores azul e amarelo fogem das tradicionais cores do grupo empresarial liderado por Belarmino Marta e filho, que são laranja, amarelo e vermelho. Não há o que estranhar. O azul e amarelo são cores do brasão do município. Oh gente maldosa!

PRAZO
Faltam 10 dias para a Sabesp apresentar uma proposta descente para a Prefeitura de Bragança visando a renovação do contrato para os serviços de saneamento e abastecimento no município. O contrato vencido desde 2009 estava sendo protelado levianamente até a posse do prefeito Jesus. Hoje a banda toca diferente dos últimos dois ex-prefeitos. Antes era na flauta, agora a cuíca ronca.

EMPREGO
O deputado Ramalho da Construção, que também preside o Sindicato da Construção Civil de São Paulo, preocupado com a grave crise de desemprego, liderou comissão de presidentes dos maiores sindicatos de São Paulo em reunião com o presidente da FIESP/CIESP e do sistema S (Sesi-Senai- IRS e Sebrae), Paulo Skaf.
Objetivo levar proposta para incentivar a criação de emprego.
A mesma proposta será levada ao Senado Federal.

REFLEXÃO: Salmos 13:1-6
1 Até quando te esquecerás de mim, SENHOR? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?
2 Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo?
3 Atende-me, ouve-me, ó Senhor meu Deus; ilumina os meus olhos para que eu não adormeça na morte;
4 Para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários não se alegrem, vindo eu a vacilar.
5 Mas eu confio na tua benignidade; na tua salvação se alegrará o meu coração.
6 Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem.

One comment

  1. A desembargadora do Tribunal Regional da 3ª Região Consuelo Yoshida determinou a suspensão dos direitos políticos do deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), Paulinho da Força Sindical, por improbidade na utilização dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). De acordo com denúncia do Ministério Público Federal, o parlamentar, como presidente da central sindical, contratou a Fundação João Donini sem licitação, para ministrar cursos profissionalizantes para desempregados e pessoas de baixa renda utilizando recursos do FAT. Fonte: Jornal Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *