"Mais importante que o fato é a notícia do fato"
DIRETOR RESPONSÁVEL: PAULO ALBERTI FILHO
Cotidiano Esportes Policial Saúde Educação Editorial Cultura Colunas GB Norte
assine | contato
Luiz Roberto Lisa
Luiz Roberto Lisa Sanches é engenheiro civil e ex-secretário municipal de planejamento
Carta aberta ao novo CONCIDADE e outras considerações.
Aos Exmos. Srs. Novos Membros do CONCIDADE Conselho Municipal da Cidade e de Política Urbana de Bragança Paulista. Prezados novos conselheiros: A necessidade de compreensão do papel: - do que se espera do conjunto dos conselheiros, ou  seja: do Concidade, é fundamental e essencial ao bom desempenho desse novo mandato que agora se  inicia. Vejam por exemplo a 1ª reunião, marcada para o próximo dia 07 de maio, e já voltada a imediatas  deliberações, a votos, quando o lógico, o necessário seria em primeiro lugar se estabelecera  conscientização do verdadeiro papel que o povo de Bragança necessita e espera que seja desenvolvido  pelos senhores. E essa 1ª reunião já vai tratar do projeto de lei do Prefeito, que cria as ZEIS, as Zonas Especiais de  Interesse Social, que anteriormente o Prefeito quis criar por decreto inconstitucional que precisou ser  derrubado na Justiça por alguns dos vereadores não atrelados ao Prefeito.  E se não foi à força, agora blindados pelo novo Conselho, querem fazer de conta que vão com  jeito, por bem e que vão fazer tudo direitinho, como manda o figurino. É bom ficarem alertas!  Porém, se for mesmo verdadeira a intenção de prover a cidade de efetivos mecanismos de  planejamento e controle que visem o crescimento sustentável e harmonioso, com a democratização das  oportunidades, melhor então haver antes um sólido e consistente preparo do Conselho, que deve ser não  um para-choques, uma blindagem, mas sim um centro nervoso, que consiga captar, decifrar e compreender  os estímulos visuais, sonoros, táteis, econômicos, sociais, garantindo assim o entendimento do todo que  compõe a nossa cidade e a nossa gente, e mais, que busquem ir além e captar e compreender as  verdadeiras intenções de quem propõe. Enfim é isso que se deve esperar de um bom Conselho: a compreensão, o estudo prévio, o  entendimento, para só então externar um bom conselho.  Por isso o meu apelo aos novos Conselheiros: antes de qualquer deliberação a necessária  conscientização. E conscientização leva tempo, estudo, dedicação e principalmente atenção.  Em dúvida? Mais e mais dedicação. É preferível ser chamado agora de lento, de lerdo, que se  descobrir depois um precipitado, um inocente útil, um bobão, um puxa-saco de plantão. Por isso todo  cuidado é pouco. E antes de votar e deliberar pela criação de qualquer ZEIS é preciso saber que antes é preciso se  resolver a ZIMP, é a Zona sob intervenção do Ministério Público (ZIMP) criada por descuido da Prefeitura,  que deveria zelar pelo planejamento da cidade, e que CUIDADO!!!agoraquer se tornar  mentoradescompromissado do Concidade. Saibam, senhores conselheiros, que o Ministério Público, a CETESB, a SABESP, o DAEE, o  DPRN, a Secretaria de Habitação do Estado de São Paulo, e inúmeros profissionais, como Engenheiros,  Agrimensores, Advogados, Arquitetos, Arqueólogos, Biólogos, Geógrafos, Técnicos, Contadores, Corretores  de Imóveis, Empreiteiros, Mestres de obras, Oficiais, Serventes, etc., etc.,e um sem número de pessoas,  que em conjunto formam o “interesse difuso” serão afetados pelos seus conselhos. E não só por um  momento, mas em suas vidas. Para que criar ZEIS, e condenar, taxar, rotular certas regiões da cidade de forma pejorativa, para  atender interesses de partidos e causas estranhas à nossa cidade e à nossa gente? Por quê? Prá que?  Para quem? Assim é importante compreender e aconselhar antes de impor: isso salvaguardará o Conselheiro, o  Conselho e a Cidade. Por isso antes de dar o aval é preciso conhecer as condições. E a mim só me resta torcer para que  os senhores conselheiros sejam cuidadosos e estudiosos e conscientes de sua missão, e desejar-lhes  Humildade, Força, Coragem, Consciência e Sabedoria, pois bem intencionados acreditamos que são e  torcemos para que assim se demonstrem. Mas para amenizar um pouco, gostaria de comentar a respeito de um projeto de lei “fantástico” que  tramita pela Câmara Municipal, o projeto nº 13/2004: Nesse mesmo momento em que no Uruguai a maconha está em vias de ser legalizada, com a  alegação de reduzir a criminalidade, o tráfico e a corrupção, aqui em Bragança, totalmente na contramão do  mundo, querem proibir os saleiros, é, os saleiros e seu conteúdo nefasto, nas mesas e balcões dos nossos  bares e restaurantes. Primeiro o sal, depois o açúcar, a seguir o café, depois a cerveja, a seguir a lingüiça,  depois vão querer regulamentar o pão e o queijo, e até o time que você pode e deve torcer, e...  Bobagens lá e cá.   Quando será que vai aparecer um vereador com um projeto de lei que proíba novas leis, pois de  entulho legal já estamos cheios? Com certeza ele terá para sempre o nosso apoio.