Alteração viária prioriza acessibilidade e sustentabilidade

Crescimento desordenado do município acarretou no aumento de acidentes, além de problemas derivados da poluição dos automóveis. Com as modificações propostas pela Prefeitura, meta será reduzir as tragédias no trânsito e melhorar a qualidade de vida da população bragantina.

Com base na Política Nacional de Mobilidade, a Prefeitura desenvolveu proposta de alteração do sistema viário de Bragança priorizando acessibilidade e sustentabilidade. A meta do Executivo se alia ao acordo brasileiro firmado no protocolo desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU), que visa reduzir pela metade os acidentes de trânsito em um prazo de 10 anos. Atualmente, o Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de acidentes de trânsito. Somente em 2012, os casos registrados em Bragança chegaram a 1.600. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, em Bragança foram registrados de janeiro a julho 11 homicídios culposo por acidente de trânsito, e 454 lesões corporais culposas pelo mesmo motivo.

De acordo com a Prefeitura, o município deve reduzir cerca 100 acidentes por ano, durante os próximos quatro anos, para atingir a meta proposta pelo acordo. Segundo o Executivo, na última década, o crescimento desordenado do município acarretou no aumento dos acidentes e vítimas de trânsito e dos congestionamentos, além de problemas derivados da poluição dos automóveis, como complicação respiratória e degradação da qualidade ambiental. Em dez anos, o aumento da frota em Bragança chegou a 104%.

Extensão- A rede viária urbana de Bragança possui extensão aproximada de 1 mil km, tendo como corredor viário estrutural o eixo formado pela avenida Dom Pedro I e avenida dos Imigrantes, com uma extensão de 7 km e um fluxo veicular diário médio de 35 mil veículos. Deste eixo, o trecho mais crítico é a Praça 9 de Julho e seu entorno imediato, sendo identificada uma densidade de 94 acidentes por km linear.

Com referência prevista na legislação Federal nº 12.587/12, a administração municipal se baseará no conceito de gestão chamado ‘Cidade Sustentável’, cujas diretrizes estabelecem implantação da mobilidade sustentável. O planejamento para melhoria do sistema viário engloba intervenções de curto, médio e longo prazo. Na questão da sustentabilidade, haverá implantação do eixo cicloviário. A primeira etapa prevê a travessia segura do Lago do Taboão para a Praça 9 de Julho e dali até o entroncamento da avenida dos Imigrantes com a avenida Europa. O deslocamento não motorizado, que é base da mobilidade sustentável, também fomenta a diminuição dos congestionamentos, o aumento da fluidez e a diminuição da emissão de gases poluentes, melhorando a qualidade do ar. Outra melhoria prevista no projeto é a remodelação dos itinerários e implantação de baia para acomodação do transporte coletivo, que compreende o pilar da sustentabilidade, abrangendo assim as propostas da Política Nacional de Mobilidade.

O Executivo aguarda análise do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural- Condephaac para iniciar as alterações

Av. Imigrantes, altura da Praça 9 de Julho, é um dos locais onde há maior circulação de veículos, principalmente em horários de pico; alterações estão previstas para o local

Fagner Lves/GB

Leia Também:

Sobre o Autor

tem escrito 9696 matérias neste site

Copyright © 2014 Jornal Gazeta Bragantina. Todos os direitos reservados.
%d blogueiros curtiram isso: